Técnica

Técnica do Silêncio Neural

Faz 10 anos que criei este método que consiste na desativação dos pontos gatilho com apenas os dedos, de uma forma indolor e em poucos segundos.

Uma das formas mais comuns de tentar desativar os pontos gatilho da musculatura é baseada na pressão isquêmica ou pressão sustentada sobre o ponto com uma intensidade gradual de acordo com a tolerância do paciente. Este método tem seus seguidores, e foi inclusive a forma utilizada durante anos.

Se consideramos o ponto gatilho como uma micro contratura de um setor da fibra muscular, como se fosse um nó em um tecido de lã, a pressão sustentada geraria um micro alongamento nesse nó. Esta ação mecânica no ponto doloroso é um processo desconfortável para o paciente com resultados relativos e com o risco de que a região fique mais dolorida no dia seguinte por efeito da manipulação.

Embora eu utilizasse o método de pressão sustentada dentro de um conceito de energia, com pontos de acupuntura e meridianos, que foram dados pela minha formação em Digitopuntura, eu sentia que não era suficiente, que os resultados eram demorados.



Um dia, trabalhando com um paciente com dor entre as escápulas, ao ajustar a localização exata do ponto gatilho, minha segunda mão estava descansando em seu ombro. Para minha surpresa o ponto dolorido desapareceu. Se eu retirasse a mão do ombro o ponto voltava a doer. Eu estava fazendo algo que interferia com a interpretação da dor, alguma mudança na tensão que se movia através das fibras ou a fáscia em direção ao ponto e que gerava esse movimento no limiar da dor. Isso me levou a estudar e entender o conceito de Tensegridade e como isso pode interferir na tensão de um ponto à certa distância.

Agora, seria essa uma correção suficiente? Poderia se sustentar o alívio da dor? Assim eu chegaria à segunda descoberta, que mudaria toda a minha forma de trabalhar. O entendimento de que era um processo de reprogramação ao nível do sistema nervoso, ou melhor, neuromuscular, no qual interferia no limiar da dor das raízes nervosas que chegavam desde o ponto dolorido até a sua conexão com a medula óssea.

O limiar da dor que define a sua intensidade pode ser alterado!




E se não há dor, não há sinal de alarme ou reflexo de proteção, gerando mudanças bioquímicas que retornam o tecido afetado à normalidade, em outras palavras, “o nó se desfez”.

Ainda falta adicionar uma terceira descoberta. Graças ao trabalho fantástico de Travell e Simons sobre os pontos gatilho e as dores referidas, consegui entender a origem de muitas alterações musculares e articulares, como um torcicolo, uma lumbalgia, uma dor no nervo ciático ou uma dor de cabeça recorrente.

Travell e Simons descrevem os pontos gatilho como pequenos nós encontrados no tecido muscular graças à uma contratura. Um ponto gatilho deixa o músculo fraco e favorece a sua rigidez. Além disso mantém a contração de fibras musculares das quais forma parte. Por sua vez, estas bandas de fibra muscular rígida mantém uma tensão constante sobre as inserções do músculo e produzem com frequência sintomas nas articulações adjacentes.

Esta tensão contínua gera por sua vez uma deficiência circulatória nessa zona gerando uma acumulação de toxinas e um déficit de oxigênio e nutrientes, mantendo assim os pontos gatilho ativados por meses ou até por anos. É nada mais do que um círculo vicioso que precisa ser interrompido.



Os pontos gatilho quase sempre acabam enviando dores para outras partes do corpo. Essa dor reflexo é a qual confunde a todos, inclusive aos médicos. De acordo com Travell e Simons os tratamentos convencionais fracassam com frequência porque estão se concentrando na dor sem entender que ela é gerada em outro lugar.

E a genialidade de estes dois médicos foi que lá pelos anos 40 conseguiram mapear os pontos gatilho de cada um dos músculos e por onde a dor era difundida! Com este “Mapa do Tesouro” nas minhas mãos comecei a entender melhor como ajudar aos meus pacientes e de certo modo a “ler” esse mapa e encontrar as possíveis origens da dor!

A técnica do Silêncio Neural reúne estes três conceitos dando como resultado efetividade e durabilidade no alívio da dor.